Agricultura | 04/12/2017 - 09:36

Mas afinal, o que é transição agroecológica?

Foto: Pixabay

Autor: Da Redação / Com informações MDA


Seja pensando na saúde, no sabor dos alimentos, meio ambiente, e em alguns casos até redução de custos, muitos agricultores decidem aderir à transição agroecológica. Apesar de ser um conceito simples, nem todos sabem o significado deste termo que cada vez mais faz parte do cotidiano de produtores.

Transição agroecológica nada mais é do que o processo gradual de adequação das formas produtivas e de manejo de culturas e plantações para métodos sustentáveis e orgânicos. Ou seja, o jeito tradicional de agricultura dá vez a preocupação com a saúde e o meio ambiente. A utilização de pesticidas, agrotóxicos e fertilizantes industrializados se transforma no cultivo natural e orgânico.

O processo de transição ocorre a partir do momento em que o produtor decide mudar a filosofia de seu trabalho e vai até a obtenção dos selos orgânicos de certificação . Neste cenário, há algumas dificuldades como falta de experiência e recursos para as pessoas em conseguir essa adaptação completa e por fim obter o selo de certificadoras.

É aí que entra as linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que possibilita o financiamento de atividades voltadas para a transição agroecológica e também para a produção orgânica pelos agricultores familiares.

A linha de crédito de investimento para agroecologia (Pronaf Agroecologia) é concedida a agricultores familiares que possuem a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) ativa e que apresentarem projeto técnico para sistemas de produção de base agroecológica, ou em transição para sistemas de base agroecológica.

O financiamento do Pronaf Agroecologia pode incluir os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento em até 35% do valor financiado, para linha de investimento. O limite por beneficiário é de até R$ 150 mil a cada ano agrícola, podendo chegar até R$ 300 mil, para atividades de suinocultura, avicultura e fruticultura.

O prazo de reembolso é de até 10 anos, incluídos até três anos de carência. Os encargos financeiros são de 2,5% ao ano. O projeto deve, obrigatoriamente, ser assinado por um técnico credenciado no agente financeiro. O técnico que elabora o projeto deve prestar a assistência técnica pelo período necessário para a sua completa e efetiva implantação.

Veja a cartiha do Pronaf Acroecologia aqui.

Voltar